quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Pedras

Construiremos nossa fortaleza a partir das pedras do nosso próprio caminho.

Igor Pollauf 

terça-feira, 24 de julho de 2012

Cais

Sem querer, encontramos o cais que, sobre o seu mar, aprisiona o Sol de todos aqueles dias que o procuramos em vão.

Igor Pollauf 


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Própria guerra


Os escudos em formas de sorriso só escondem o que tem por trás deles. Não vemos as armas, mas sentimos as balas perfurando nossos corpos. E o sangue escorre dos olhos que procuram algum abrigo,  perdido ou não, que nos faça sentir, de fato, seguros. 

...

(É, nossa própria guerra parece sempre ser a mais dolorosa.)

Igor Pollauf




segunda-feira, 2 de julho de 2012

Inércia

Toda inércia tem um fim, às vezes por causa de um ameno vento e poucas outras por consequência do forte pulsar de nossos corações.

Igor Pollauf

quarta-feira, 20 de junho de 2012

O vazio existente entre os sorrisos é tão angustiante a ponto de parecer eterno.

Igor Pollauf 

 

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Lembranças


Muitas coisas acontecem, mas tão poucas são aquelas que acontecem para se tornarem lembranças e companhia nos dias de chuva. 

Igor Pollauf 


segunda-feira, 23 de abril de 2012

Tornado

Prefiro imaginar que os tornados passem por nós apenas para evidenciar nossas sólidas certezas... E assim, nos fazer recordar de que, independente da tempestade, obtemos os ingredientes necessários para reconstruir o nosso paraíso sempre que for preciso. 

Igor Pollauf 

  

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Liberte!

Não resguarde desgostos, paixões ou quaisquer outros sentimentos, pois talvez quando decidir libertá-los não exista mais os motivos deles terem existido. 

Igor Pollauf

terça-feira, 27 de março de 2012

Galhos

Sempre haverá galhos fracos em árvores altas, por isso, para que esforço do encantamento ao chegar no topo da copa não seja em vão, escolha minunciosamente aqueles que irão te suportar.

Igor Pollauf 

quinta-feira, 8 de março de 2012

Todos os dias

É como se apaixonar só uma vez no ano pela Lua. É como dizer apenas em uma noite o quão exuberante são as estrelas e somente numa tarde ensolarada perceber a beleza das flores. É como se em apenas um dia fosse possível (e coerente) enaltecer a maior formosidade do mundo. 

Não existe noite específica para se apaixonar pela Lua ou se perder nas estrelas, nem tardes exclusivas para reparar na beleza das flores. Assim como não existe um único dia para enaltecê-las, pois todos os dias são de vocês - Mulheres. 

Igor Pollauf

  

quarta-feira, 7 de março de 2012

Sem fim

Vamos inventar e nos perder no infinito para que não consigamos enxergar o fim.

Igor Pollauf

   

terça-feira, 6 de março de 2012

Feridas

O tempo não cicatriza algumas feridas, mas trás outros motivos para esquecê-las.

Igor Pollauf 

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Névoa

As estrelas sempre estarão atrás das nuvens, imóveis e escondidas, esperando que você, ao invés de continuar a observar a escuridão do céu, sopre a névoa para voltar a enxergá-las.

Igor Pollauf 

   

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Para sentir-se vivo é necessário, muitas vezes, abrir mão do amanhã.

Igor Pollauf 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Novas regras

Depois de um certo tempo não há mais lógica em algumas velhas jogadas; a regra do jogo muda a cada estação e, a cada nova estação, obrigatoriamente, aprendemos a dançar conforme a distância do Sol...Ora longe demais para se tornar intenso, ora perto demais para recordar de sua tenuidade.

Igor Pollauf